[CONTENT]
Introduction

What a great season we’ve had! We are proud to bring you the first electronic newsletter – gone are the days of large PDF documents and e-mails. Some of your projects have closed, others have received funding extensions, and most notably, a number of projects were represented at the 2nd Maputaland-Pondoland-Albany Hotspot (MPAH) Forum. The forum was nothing short of spectacular! We had a great time and judging from the discussions made, we’ve all learnt something new and gained a lot from meeting other grantees across the hotspot. We hope you’ve exchanged contacts and will continue working with each other.

Thank you to those who attended, participated and presented at the forum. The next MPAH Forum will take place towards the end of the Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF) investment in 2015 and the dates will be communicated to you in the new year.

The stories in this newsletter are available in both Portuguese and English, and we sincerely thank Faruk Mamugy for his assistance with the translation.

Anyone may sign up to receive this newsletter or share their MPAH–CEPF-funded project stories through submitting written contributions to Kennedy Nemutamvuni (Learning Network Officer, South African National Biodiversity Institute [SANBI]; K.Nemutamvuni@sanbi.org.za). Please also remember to send information and resources from your project that you would like to share on the website.

Thanks to all members from various projects who have contributed to this newsletter.

We are looking forward to sharing our summer stories with you in the new year.
 
Contents
  1. Forum highlights, co-operation and continuity of projects within the hotspot

  2. Hotspot communities use biodiversity to address poverty / Comunidades do hotspot – conservar biodiversidade para combater a pobreza

  3. WESSA aims to establish the first UNESCO Biosphere Reserve in KwaZulu-Natal with support from CEPF / WESSA pretende estabelecer a primeira reserva da biosfera da UNESCO em KZN com o apoio do CEPF

  4. Empowered people empower forests / Pessoas mais capacitadas potencializam as florestas

  5. Development of a measurement methodology for ecosystem goods and services / Desenvolvimento de uma metodologia para medição de bens e serviços ambientais

  6. By teaching you learn, by learning you teach: an environmental education project where teaching and learning mutually integrate / Ao ensinar você aprende, ao aprender você ensina: um projeto de educação ambiental com o ensino e a aprendizagem  mutuamente integrados

  7. Mhlumeni Biodiversity Report – an important milestone in Lubombo Conservation / Relatório da biodiversidade do mhlumeni - um marco importante na conservação do Lubombo

  8. Eastern Cape ‘Ecorangers’ preserve grasslands, reduce livestock loss / ‘Ecorangers’ de Eastern Cape preservam as pradarias< redução de perdas de gado
 

Forum highlights, co-operation and continuity of projects within the hotspot

By Kennedy Nemutamvuni, SANBI

The South African National Biodiversity Institute (SANBI), in partnership with the Wildlands Conservation Trust has, for the second time, convened a successful Maputaland-Pondoland-Albany Hotspot (MPAH) Forum. The event took place at the beautiful Mpekweni Beach Resort in the Eastern Cape from 13 to 16 October 2014. The forum was attended by more than 60 Critical Ecosystem Partnership Fund (CEPF) grantees from across the hotspot. The forum plays a crucial role in building a learning network in the hotspot that helps to strengthen relationships, increase awareness and facilitate learning and lessons sharing. The theme for the forum was ‘securing biodiversity assets and maintaining ecological infrastructure’ and the main objective was to provide a platform for learning and sharing lessons in order to strengthen the learning network in the hotspot. The forum was an opportunity for project implementers to discuss project progress, successes and challenges, and to identify strategic priorities and long-term goals for the hotspot going forward.

 
 

Some of the projects that have already closed have shown meaningful results in terms of biodiversity management and conservation, as well as benefits for people. There is a lot that these projects bring to the learning sphere and the sustainability plans. Speaking at the opening of the forum, Kevin McCann of the Wildlands Conservation Trust said, ‘By taking advantage of this forum, we can collectively resolve some of the everyday challenges and search for “hidden opportunities”.’

Invited project implementers and speakers traced the impact of CEPF grants on their projects and the contribution these grants have made to the biodiversity and communities in their project areas and their organisations as a whole. This highlighted the catalytic nature of this investment in the region. The investment also led to great partnerships that could not otherwise have been achieved. There are many examples of these partnerships across the hotspot such as the synergies that exist in the Umzimvubu Catchment Partnership Programme, Futi Corridor Consortium in Mozambique, and the Amathole District in the Eastern Cape. Dr Steve Boyes explained how the partnership between Border Rural Committee, Wild Bird Trust and the Endangered Wildlife Trust is aimed at ‘conserving the biodiversity of Amathole for the benefit of communities and ecosystems’.

The Forum also covered a discussion on sustainability planning in order to investigate how the gains from the CEPF investment in the region can feed into the long-term goals of the hotspot. Aimee Ginsburg provided insights into the sustainability planning process of the Grasslands Programme and reiterated that the process ‘is not about a new funding mechanism but a means to prepare for continuity after the termination of funding’. It further emerged from the discussion that there is a need to take transferrable lessons forward and to give direction on areas to which resources should go. Initiating an eco-business plan that links well to the sustainability planning is the Lubombo Conservancy, represented by Rod de Vletter, who indicated that they are ‘creating a more sustainable and compelling conservation and tourism product by capitalising on the local and regional assets and resources at the Lubombo landscape scale’.
 
Hotspot communities use biodiversity to address poverty

By Kennedy Nemutamvuni, SANBI

Pondoland is one of the three centres of endemism in the Maputaland-Pondoland-Albany Hotspot. It is a biodiversity rich region on the Wild Coast in the east of the Eastern Cape of South Africa. The region is under serious pressure from aggressive mining interests. This area is in the land of the AmaMpondo who speak a Xhosa dialect. Their unique traditional customs are intricately linked with the biodiversity of the area. According to Nobuntu Mazeka, a local community builder and facilitator of the workshop, the traditional identity of the people is ‘the reason why not a lot has been lost in terms of traditional customs’. This was observed during a workshop with the Amadiba Development stakeholders, convened by the SANBI’s Municipal Programme. The workshop began with a moment of silence, which is a sign of welcome and is meant to connect with people’s hearts.
 
 

SANBI hosted the workshop in response to a request from the Amadiba communities for a forum to engage with government institutions and other organisations around their vision for their development. The communities wanted to align their plans and express them in terms of the institutional frameworks and planning processes for socio-economic development and conservation of biodiversity. SANBI has been involved in the area through the CEPF MPAH funded Growing Together Scoping Project which intended to support local community participation in the conservation action of the Pondoland and Albany hotspots. There was enthusiastic participation in the workshop with translation assistance from Sinegugu Zukulu of Conservation South Africa, a partner in the initiative.

Six villages in the Amadiba area presented their vision on the first day, and a range of government institutions and consultants offered feedback on how this relates to the formal legal and policy frameworks and processes. The second day of the workshop was dedicated to the community of Gobodweni who are at an advanced stage in the development of a wild botanical garden and other initiatives (see MPAH Newsletter Summer 2013) that aim to improve the lives of people while conserving biodiversity. SANBI and Sustaining the Wild Coast have previously convened a workshop in the area that helped the community map a vision of conserving their biodiversity. This would develop their area as a specialist tourist attraction and local knowledge centre, at the same time creating opportunities for young people of their village, many of whom are uneducated and unemployed. The community agreed to first prioritise the development of a wild botanical garden of Pondoland endemics, as they have a beautiful landscape rich in endemic and indigenous plants. They believe that their dream will come true with assistance and guidance from institutions such SANBI and the relevant municipalities.

The proceedings of the workshop were closed with an agreement on a way forward, where every community had a chance to reflect on what they think could work for them. Their proposed list of items were adopted with a recognition that there are some steps that the community need to take first to enable their vision to come true. Also, some of the plans would be implemented immediately, while others would take longer to develop, and the process needs to be pursued in phases. The steps, according to Mzamo Dlamini of the Amadiba community, include ‘changing the current agricultural and farming practices, to try and reintroduce lost crops – those that will meet today’s needs’, while still preserving the prestigious biodiversity in the region is a must.

Various speakers representing different sectors were invited to advise communities of the opportunities that they can explore for sustainable development. The speakers included representatives from the Eastern Cape Parks and Tourism Agency (ECPTA), provincial Department of Economic Development and Environmental Affairs, Alfred Nzo District Municipality, Mbizana local municipality and various local non-profit organisations such as Sustaining the Wild Coast.

More than 30 people attended the workshop. Impressed by the workshop, Sinegugu Zukulu said, ‘the coming together of so many different stakeholders to discuss best practice in development implementation displayed the true sense of cooperative governance as enshrined in the constitution of our country.’ The workshop was a resounding success that went beyond everybody’s expectations.
 

WESSA aims to establish the first UNESCO biosphere reserve in KwaZulu-Natal with support from CEPF

By Chris Galliers, WESSA
 

 

 

A large grant has been awarded to WESSA from CEPF to support the establishment of the first UNESCO-registered Biosphere Reserve (BR) in the province. The proposed BR is located in KwaZulu-Natal in an area known as the KwaZulu-Natal Midlands and forms part of the greater uMngeni river catchment. This area has a number of key attributes including spectacular natural features (e.g. waterfalls), rare and endangered fauna and flora, and immense cultural value as well. It will cover a relatively small area compared to other BRs in South Africa, but the area is intensely utilised. This intensity places pressure on the existing ecosystems which is felt both in the immediate area but also by downstream dependents.

Some of the objectives of the proposed BR are to:

  • Conserve the catchments for widespread water provision, thereby ensuring water security.
  • Conserve the biophysical environment with all its components and ecological infrastructure – included in this is to secure safe habitats for rare, threatened and endangered floral and faunal species.
  • Improve existing knowledge of agricultural, conservation and sustainable practices through human capacity development.
  • Get people to understand their roles and responsibilities associated with living inside a BR and promoting a holistic view towards conservation.
  • Support and create socio-economic development within the BR and surrounding areas.
  • Maintain and improve the alternative values of the area such as retaining aesthetic appeal, heritage and cultural values, and preserve the sense of place.
  • Maintain and promote the sustainability of the area through best practices, including governance.
  • Improve livelihoods and quality of living of people residing within the BR.
  • Conserve and improve ecological infrastructure within the BR.
  • Investigate climate change resilience and adaptation.
  • Map the BR to identify ecological/biodiversity hotspots and habitat of endangered species or areas in need of immediate protection and conservation.
  • Identify zones within the BR that can indicate the suitability for land-use activities and a decision-support framework in determining the optimal location for various development options, such as ecotourism, agriculture and housing.
  • Be a conduit for the effective use of invested resources into the BR.
All of the above will be done to achieve a desired future state where the BR area is resilient to climate change, where natural areas and landscapes are connected, green economies are thriving, water production in the catchment is secured and biological and cultural diversity is conserved.
 
Empowered people empower forests

 

By Mike Denison, WESSA

The Ntsubane Forest Complex (NFC) is the belt of indigenous coastal forest stands from Port St Johns which extend for close to 30 km in an east-northeast direction over an area termed the Egossa Interval to the Egossa Fault, just north of Mbotyi. Although classified as scarp forest, the complex is representative of dune, coastal lowland and montane forest. There is no clear natural demarcation of the forest types, but rather a blending together of these forest types. The NFC runs roughly parallel to the coastline with the inland reach zigzagging between 5 and 13 km from the coast and covers approximately 4 461 hectares. Historically this belt, or natural forest corridor, would have been a homogenous and continuous eco-system supporting a healthy biodiversity pool of fauna, flora and avian life. The state of the corridor today is increasingly fragmented with the forest being broken into clusters due to human impact and degradation with a resultant loss of the desired ecosystem services, and a reduced ability to maintain the desired ecological diversity.
 

This forest complex is the largest indigenous forest stand on the Wild Coast and is considered to be under significant threat. This is supported by the findings of the Wild Coast Coastal Forests Study, which highlights that these forests are under increasing pressure from unsustainable forest practices and that ‘forest use does not appear to be sustainable. Management of indigenous forests is inadequate.’

Importantly, the NFC is within the Pondoland Centre of Plant Endemism, which, of the 235 internationally recognised endemic plant sites, is one of the smallest and most vulnerable with global conservation significance. It is included in the listed critical ecosystems highlighted in the Maputoland-Pondoland-Albany corridor.

Through the CEPF-funded initial and subsequent project, WESSA has since 2012 been working with forest user communities, forest user groups and other stakeholders to promote the conservation of the natural forest resources and support sustainable livelihood practices. Forest user communities are of the opinion that they have become increasingly disempowered in relation to ownership and access to natural resources. The projects implemented by WESSA therefore aim to reinstate a legitimate sense of ownership over these resources, through participatory and collaborative management agreements, user rights and conservation responsibilities.
 

 

The work has included invasive alien plant eradication education and training, securing meaningful long-term employment with conservation objectives, community based natural resource management workshops, piloting forest restoration sites, input into forest schools and revitalising the Wild Coast Forest User Association, specifically the crafters who are dependent on forest resources for their livelihoods. Beyond this, the project is working to map the complex. Together with the rural community of Dedeni, the project will pilot a forest use plan that will facilitate responsible use, be inclusive of participatory management infrastructure and identify appropriate forest for the proclamation of a protected area which is in line with the National Protected Area Expansion Strategy.

Despite stakeholder conflict, historical mistrust, challenging socio-economic realities and heightened socio-ecological pressures, it is becoming increasingly evident that the communities of Ntsubane are willing to engage and act proactively for the conservation of this forest complex. It is therefore of the utmost importance for the MPAH to remain at the forefront of development co-operation into the future, with prioritised strategic investment into working relationships that have been catalysed through the CEPF programmes.
 

Development of a measurement methodology for ecosystem goods and services

By Kerryn Morrison, Endangered Wildlife Trust

In 2012 the Endangered Wildlife Trust (EWT) initiated a CEPF-funded biodiversity stewardship project in the Southern Drakensberg area of KwaZulu-Natal. The Biodiversity Stewardship Programme is a legislatively enabled process that provides for communities and private landowners to voluntarily commit their farms to be declared as part of the protected area network of South Africa. Various categories allow for properties, ranging from those in pristine natural condition to ones that are actively farmed, to be enrolled in the programme. The ultimate aim of the programme is to bring about better management practices on farms which would benefit threatened species such as Wattle Cranes, Grey Crowned Cranes and Oribi as well as improve or maintain ecosystem goods and services emanating from a property.

To ensure ongoing involvement by the EWT after sites have been declared and to ensure that recommended management practices are having the desired effect, it is essential to develop techniques to measure the impact of these practices and assess them over time. Many accepted assessment techniques have previously been developed by others, for example the South Africa Scoring System (SASS – a tool that measures water quality through assessment of aquatic biodiversity), the use of dragonflies as environmental indicators, basal cover determination, turbidity, and veld condition assessments to name but a few. The EWT is, however, interested in the development of a holistic methodology that will assess several parameters and that can be linked to the wellbeing of ecosystem goods and services. It is also an essential requirement that any tools developed should be easy to use, especially by landowners or members of the public.

In response to this need, the EWT has decided to look at the combined use of a suite of accepted and proven tools at a particular site (farm) and to explore the link between these tools and ecosystem goods and services. By combining existing tools, a more holistic picture will emerge that can be more sensitive to change than using any of the tools in isolation. In addition, the use of proven methods as part of the EWT methodology will lend credibility and acceptance of the methodology developed.
 

 

 

Based on our current understanding of ecosystem goods and services, the less transformed the condition of the land cover the better it should be in providing services. This view, while not without exceptions, has found general acceptance amongst ecosystem practitioners. If this view is accepted the assumption can reasonably be made that improvement in a variety of bio-indicators would be mirrored by improvements in ecosystem goods and services. The greater the variety of indicators that are monitored, the more likely it is that their results would give us insight into the condition of ecosystem goods and services.

At a practical and theoretical level the combined implementation of these tools has brought about several interesting questions and has raised a number of unknowns. Meetings and discussions have been held with various stakeholders in the ecosystem services and goods sector to plan the development of a holistic methodology, trying to ascertain which tools to combine, and whether or not the results of the methodology will be good proxies for ecosystem goods and services. In the end, spending time in the field and figuring out how it will work on a practical level has provided enormous insights.

Below are some of the observations that have become apparent in the past few weeks and which will guide us in the further development of the measurement methodology. These may be useful to other related projects.

a) Define the boundaries of the area to be monitored.
If the aim is to use the methodology to draw certain conclusions about the state of ecosystems goods and services, make sure that you only measure those ecosystem goods and services that originate within the boundaries of the area you are trying to monitor. This will assist you to measure the impact of management actions on ecosystem goods and services that are under the control of the landowner and not those that could be influenced by factors beyond your control or beyond the boundaries of the property.

b) Classify the farm in respect of its land cover types.
Different land uses and land cover types have different abilities to yield ecosystem goods and services. Delineating these land uses and scoring their ability to contribute to ecosystem goods and services will assist in the identification of the sampling areas and possibly hint at the appropriate tools to be used.

c) Define the ecosystem goods and services to be measured.
What are the services and goods that will be measured? It is a good idea to focus on the provisioning and regulating services as these will strongly be influenced by management actions. Again this process of identification will provide insight into which combination of tools will be appropriate.

d) Experiment with the placement of sampling points.
Make sure that these are situated in areas where they will respond to management interventions, i.e. sampling points need to be sensitive to change.

e) Create a suite of tools
Assess different tools in respect of their ease of use and the type of result they will produce. Select a number of tools that are appropriate and that will provide insight into aquatic and terrestrial environments. These tools could assess abiotic or biotic parameters.

f) Understand that each farm will represent a unique situation.
Each farm will have a unique monitoring plan and a specific combination of tools will apply as part of the methodology. Provided that the tools are reasonably sensitive and that sampling points have been well chosen, the choice of tools may matter less than their consistent use for monitoring on that particular farm.

g) Keep it simple and practical.
Do not get stuck in scientific complexities, as there are many that may arise. Start as soon as possible with practical implementation and adapting as you learn. Start building a baseline of observations which can be used to interpret future monitoring observations.

h) Share information.
Use technological platforms to track and share results. Plenty of internet applications provide great tools for capturing and sharing. Involve people from the start as part of building capacity and as a platform for citizen science. They will find the learning and interaction useful and so will you.

i) Don’t forget the management plan.
Make sure that the management activities which are planned and implemented are also clear in respect of their targets. Make sure that the plans are tracked as they are implemented so that progress can be evaluated against the results of the different tools that are applied.

The use of a combination of tools in the same area (farm) has drawn much attention and has confirmed the need for a holistic methodology. Not only will this methodology be useful where environments are being rehabilitated, but also in areas where we need to ensure that natural or pristine conditions are maintained.

In developing the tool, the project team has encountered a number of unknowns and scientific queries. The resounding lesson learnt thus far is that in the face of uncertainty nothing beats practical experimentation in the field to clarify matters or inform the way forward.
 
By teaching you learn, by learning you teach:
an environmental education project where teaching and learning mutually integrate

By Janet Snow, Treverton Trust

Using the Latin proverb ‘by learning you teach, by teaching you learn’ as a backbone, a group of 18-year-old Treverton Post Matric GAP learners have been conducting teaching programmes for school learners while learning during the teaching process.

Treverton Schools in KwaZulu-Natal has had a strong environmental education ethos and has been involved in a variety of environmental education programmes and projects since the 1970s. One sector of the school, the Post Matric GAP group, has conducted Water Wise, Climate Wise or Erosion Awareness programmes as part of their annual excursion since 2009. In 2013 and 2014 the Wildlands Conservation Trust and the CEPF funded the environmental education component of these programmes.
 

 

Environment Learning and Teaching (ELT) is an organisation which focuses on the learning and teaching practices related to the environment, drawing on the Japanese proverb ‘planting trees under whose shade we don’t expect to sit’. The organisation conducts training and develops resources for environmental teaching and learning.

ELT guide the Post Matric GAP group to design and develop their own interactive lessons which they can present at a variety of schools. These lessons are related to the school curriculum. Under guidance they decide on an appropriate environmental topic (in 2013 they chose Water Wise, while Erosion Awareness is the focus in 2014) and they develop a series of interactive, action-based and visual teaching activities. The group brings youthful enthusiasm and understanding of how to interact with learners only slightly younger than themselves and relating to the school learners at a compatible level.

The development of the programme is in itself a learning process for the Post Matric GAP group. Not only do they have to brush up on their own content knowledge related to the topic, but they also have to learn about and define appropriate pedagogical methods. They must collaborate with each other in defining the topic, programme or processes and develop useful life skills.
 

 

In 2013 the topic was Water Wise. Under guidance from ELT, they developed a series of four activities and one drama presentation focusing on the water cycle, mountain catchment, water conservation, anti-pollution of rivers and water related health issues. They used innovative methods by building models which indicated the concepts. The models were once again used by the 2014 group where they used the ‘mountain’ to indicate the effects of soil erosion when there was no grass cover to hold the soil. Another model was developed for the erosion theme. Using a scenario pedagogical method, a series of possible situations were developed and demonstrated.

Each group developed a drama presentation. These are short skits which bring humour to the issue, allowing for indications of the social effects of appropriate versus inappropriate environmental management. Despite their lack of drama training, the Post Matric GAP group truly rose to this challenge with a number of learners reporting on how much they enjoyed that component of the programme.

The programmes are presented to learners at a variety of schools, including small rural schools, schools within traditional tribal authority areas, and schools in rural villages. Although the focus is predominately for the Grade 7 and 8 learners (and linked to those curriculums), there have been requests from the schools to include learners from Grade 1 to Grade 11.

 

The Post Matric GAP group have noted, ‘there was a big difference in all the schools and you could see clearly the way the school functioned through the management system. ... [some] were so disciplined that they were excited and enthusiastic and well behaved. You could see they just wanted all the knowledge you could give them, which was such a pleasure. ... [other schools] were difficult as there … [was] a sense of a lack of interest.’ The Post Matric GAP Director wrote, ‘the interaction between the post matric students and the learners was profound to observe and gives one a sense of hope for the future generations of South Africans.’

The learning during the teaching processes is immeasurable but can be summarised when they suggested that the future Post Matric GAP groups should be exposed to school programmes of this nature ‘so they can also be taught as much as we have been’. So the school learners taught while learning, and by teaching the Post Matric GAP group learnt.
 

Mhlumeni biodiversity report – an important milestone in Lubombo conservation

By Rod de Vletter, Lubombo Conservancy

For several decades there was a vision among authorities, landowners, managers and interested parties for the co-operative management of a number of contiguous, but separately managed areas in northeastern Swaziland. These areas include statutorily proclaimed protected areas, private property, and Swazi Nation land. This area is unique in its scenic beauty, rich diversity of habitat and endemic species, strategic position for access by tourists, and for its traditional Swazi linkages – the royal hunting ground and the involvement of local communities. The Lubombo Conservancy consists five conservation areas that combine to make the most extensive conservation area within the Kingdom of Swaziland, with approximately 60 000 hectares of contiguous land that can be utilised to enhance conservation efforts in the country.

One of the Lubombo Conservancy’s projects is the Mhlumeni-Goba Cross Border Tourism and Conservation Initiative, which aims to pilot the first cross border community conservation area between Swaziland and Mozambique. A series of participatory GIS planning workshops were held in Mhlumeni, with the objective of involving the community in the mapping and assessment of ecosystem services and developing a management and business plan based on an informed understanding of the community’s natural resource assets. One of the steps in this initiative was a biodiversity assessment, which would provide a baseline survey of the terrestrial ecology of the proposed Mhlumeni conservation area. ECOREX Consulting Ecologists CC was appointed to survey the flora and vertebrate fauna (mammals, birds, reptiles, frogs) of the area, and assess the biodiversity value of the terrestrial habitats represented. Well-known biodiversity specialist, Warren McCleland (co-author of Trees and Shrubs of Mpumalanga and the Kruger National Park), and local expert, Linda Loffler (co-author of Swaziland Tree Atlas), conducted the study.
 

 

 

The study area was the Southern Lebombo Bushveld, which has an ecosystem status of Least Threatened. Five untransformed vegetation communities were identified within the study area on the basis of distinctive vegetation structure, floristic composition and position in the landscape:

  • Bush Clump Mosaic (Ficus glumosa-Mimusops zeyheri-Maytenus undata)
  • Open Woodland (Combretum apiculatum-Themeda triandra-Cymbopogon excavatus)
  • Closed Woodland (Combretum molle-Maytenus undata-Diospyros dichrophylla)
  • Thicket (Combretum molle-Acacia ataxacantha-Bauhinia galpinii)
  • Scarp and Riparian Forest (Harpephyllum caffrum-Drypetes arguta)

A total of 373 plant species was recorded within the study area during fieldwork, reflecting the high plant diversity of the area. Thirty-nine of these are protected under the Swaziland Flora Protection Act (No. 10 of 2000) and nine are classified as threatened or data deficient in the Swaziland Red List. An additional seven threatened and five data deficient plant species have been recorded in the general vicinity of the study area in similar vegetation communities to those represented, and could be located with further fieldwork. Only one fauna species of conservation concern was confirmed during fieldwork, namely Red Duiker (Near Threatened). However, suitable and even optimal habitat is present for six mammals, 19 birds and two reptiles of conservation concern. Further fieldwork could confirm the presence of at least some of these species.

The assessment of the biodiversity value of the habitats represented determined that almost all natural habitats have high biodiversity value and are conservation-worthy. The three most important vegetation communities in this regard are Bush Clump Mosaic, Closed Woodland, and Scarp and Riparian Forest. The Mhlumeni study area is an important biodiversity hotspot that should be considered for inclusion in any future systematic conservation plans for the Lubombos, and has the potential to be an important trans-boundary protected area with similar land near Goba in Mozambique.

The study confirms the value of the biodiversity of the area and its ecosystems, and conclusively validates the investment in the intensive six-month participatory planning, mapping and zonation process with the Mhlumeni community. The study reports that the greatest part of the Mhlumeni communal area has a high biodiversity value and is conservation-worthy. The report’s findings potentially indicate the high biodiversity and conservation values of the Lubombo communal lands (Swazi Nation land) where similar biodiversity assessments are planned. The planning process together with the study has helped create a sense of ownership and pride in the community for its biodiversity, to the extent that it investigated the theft of cycads in its area, recovered them and ensured that they were replanted in their original location. The study will contribute to, and inform ongoing discussions with the Mhlumeni community on the creation of a community conservation crea, and their future participation in the Lubombo Conservancy.
 
Eastern Cape ‘ecorangers’ preserve grasslands, reduce livestock loss

 

By Nolubabalo Kwayimani, Conservation South Africa

Matatiele has changed over the past years. People who have resided there for many years notice a huge difference. The black wattle (Acacia mearnsii – an invasive species in this region) had taken over the farmlands and areas near the river. These thirsty trees are shrinking rangelands and wetlands that farmers depend on to water their livestock, exacerbating the freshwater scarcity that has plagued much of South Africa in recent years. Meanwhile, erosion from overgrazing has left some parts of the area inaccessible. These impacts affect more than 1 million people who live along the Umzimvubu River. It’s critical that we farm smarter than we have been, protecting the land while we still can.

 

It is our job to help improve land management in the Umzimvubu catchment. One of the upsides is that we are able to help fix these problems while providing much-needed jobs for local community members – a critical benefit, as the poverty rate in this area is alarming. Conservation South Africa (CSA) began work in the village of Motseng near the foot of the Drakensberg Mountains. Thirty farmers signed an initial three-month agreement committing 800 hectares of land, 242 cattle and 237 sheep to a ‘structure grazing’ regime. Next, CSA began the process of vaccinating, dipping and ear-tagging all the animals allocated to the project. The ear tags allow us to register the animals to each owner. The vaccinations and medical dips ensure that all the animals grazing together are protected from diseases and ticks while they’re under our care.

When out grazing on the veld the animals are accompanied by ‘ecorangers’ – local shepherds employed to protect livestock, maintain areas that have been cleared of invasive species and gather biological data for monitoring conditions in the veld. Armed with GPS units, they record evidence of degraded pasture that should be avoided until it has time to recover. They are also trained in the latest techniques to limit loss of livestock to predators, such as the use of Anatolian shepherd guard dogs. Once trained and fitted with safety gear, the ecorangers move out into the veld with their herds, following a planned grazing route and sleeping at designated overnight camping areas. The idea is to get cattle and sheep to graze much further away from farmers’ homesteads in summer. That way they can remain closer to home in winter without degrading the grasslands. Such an undertaking in a large communal area, where farmers move around wherever and whenever they please, is incredibly difficult; getting them to follow a structure grazing plan required intense negotiations. Our work was made easier through a great team effort, from the patient and respectful meetings that Sinegugu Zukulu, our programme manager, held with all the chiefs, to the speed with which the CSA staff recorded livestock in each village.

But things didn’t always go smoothly, despite our best plans and efforts. Our first obstacle was a lack of tents, sleeping bags and camping equipment that herders would need when they camped out in the veld with the animals. Thanks to our partners at Massmart, we were relieved and incredibly grateful when some amazing tents and camping equipment arrived on our doorstep. In addition, the cost of getting food to the ecorangers every day proved to be more expensive than anticipated, but thanks to the local Spar supermarket everyone was fed and warm at night.

At first, some of the herders voiced reservations about having to stay out in the veld for long periods of time. However, they are now regularly returning home with smiles, hugs and stories of thriving livestock that can be attributed to these new herding practices. Cows are fatter because they are not walking such long distances to and from home, which bodes well for farmers at the market. Reports have also found that animals have fewer ticks and are healthier than before. A survey in CSA’s Namaqualand landscape conducted in 2012 found that farmers employing ecorangers saw a 320% reduction in livestock losses. We hope that the presence of our ecorangers will also deter livestock theft, which is a serious problem in South Africa and neighboring Lesotho.

The planned grazing approach and alien control programme is an affordable way to restore these communal areas while providing employment in some of the poorest areas of South Africa. It may also help inform the South African government’s forthcoming freshwater pricing strategy, which aims to use water pricing as a tool for driving improved water-use efficiency without negatively impacting small-scale or underserved water users. Since our initial engagement with farmers in Motseng, we have already signed up a total of 110 farmers in two of the seven villages we have targeted. We are here for the long term – at least 20 years – in which time we hope to improve the management of 35 000 hectares of rangelands.

On 23 June 2014 CSA, in partnership with ERS, held a livestock sale for the first time in Matatiele for the farmers who are involved in the programme. A total of 129 animals were on offer from nine villages and 66 owners. Out of the 129 livestock, 76 cattle where sold on the day to four different buyers bringing in R471 800. This was a huge accomplishment with the buyers and sellers seemingly very happy with the auction and transactions that took place.

As a team we have been inspired by the positive changes already seen in these crucial grasslands – and we know we’re only getting started.
 
Comunidades do hotspot – conservar biodiversidade para combater a pobreza

Por Kennedy Nemutamvuni, SANBI

Pondoland é um dos três centros de endemismo do Maputaland-Pondoland-Albany Hotspot. É uma região rica em biodiversidade sob forte pressão devido a interesses mineiros agressivos, em Wild Coast, a Este de Eastern Cape na África do Sul. A região encontra-se na terra de AmaMpondo, que fala dialeto Xhosa, com os seus costumes tradicionais únicos, ligadas à biodiversidade. De acordo com Nobuntu Mazeka, um construtor da comunidade local e facilitador do workshop, a identidade tradicional das pessoas é "a razão pela qual não se perdeu muito em termos de costumes tradicionais." Isso foi observado durante um workshop com os Intervenientes da Amadiba Development, convocado pelo Programa Municipal do Instituto da Biodiversidade Nacional Sul-Africano (SANBI). O workshop começou com um momento de silêncio, o que é um sinal de boas-vindas e tem o propósito de se conectar com o coração das pessoas.
 
 

O SANBI sediou a workshop em resposta a um pedido das comunidades Amadiba por um fórum para se colaborar com instituições governamentais e outras organizações, em torno da visão deles para o seu desenvolvimento. As comunidades queriam alinhar os seus planos e expressá-los nos termos dos quadros institucionais e dos processos de planeamento para o desenvolvimento sócio-econômico e da conservação da biodiversidade. O SANBI esteve envolvido na área através do “Projecto Crescendo Juntos” financiado pelo CEPF MPAH, que visa apoiar a participação da comunidade local nas ações de conservação dos hotspots Pondoland e Albany. Houve uma participação entusiástica no workshop, que foi facilitado por Nobuntu Mazeka, com assistência na tradução de Sinegugu Zukulu da Conservation South Africa, um parceiro na iniciativa.

Seis aldeias na área de Amadiba apresentaram a sua visão no primeiro dia, e uma série de instituições governamentais e consultores ofereceram o seu feedback sobre como estas se relacionam com as estruturas e processos formais legais e políticos. O segundo dia do workshop foi dedicada à comunidade de Gobodweni, que estão num estágio avançado no desenvolvimento de um "jardim botânico selvagem" e outras iniciativas (ver MPAH Summer Newsletter 2013) que visam melhorar a vida das pessoas, ao mesmo tempo que conservam a biodiversidade. O SANBI e a Sustaining the Wild Coast, já tinham anteriormente organizado workshop na área, que ajudou a comunidade a desenhar uma visão para a conservação da sua biodiversidade. Isso poderia desenvolver a área deles como uma atração turística especializada e centro de conhecimento local, e ao mesmo tempo, criando oportunidades para os jovens de sua aldeia, muitos dos quais são iletrados e desempregados. A comunidade concordou em primeiro priorizar o desenvolvimento de um jardim botânico selvagem do centro endémico de Pondoland, pois eles têm uma bela paisagem, rica em plantas endémicas e indígenas. Eles acreditam que o sonho deles se tornará realidade com a ajuda e orientação de instituições como SANBI e municípios.

Os trabalhos do seminário foram fechados com um acordo do caminho a seguir, onde cada comunidade teve a oportunidade de refletir sobre o que eles acham que poderia funcionar para eles. A lista dos itens por eles propostos foi adoptada, com o reconhecimento de que há alguns passos que a comunidade precisa tomar primeiro, a fim de permitir que sua visão se torne realidade. Além disso, alguns dos planos seriam implementados imediatamente, enquanto outros levariam mais tempo para se desenvolver, e o processo precisaria de ser prosseguido em fases. As etapas, de acordo com Mzamo Dlamini da comunidade Amadiba, incluem a "alteração das práticas agrícolas e de cultivo atuais, de modo a tentar e reintroduzir culturas perdidas - aquelas que irão atender às necessidades de hoje", mantendo contudo a preservação da prestigiosa biodiversidade na região como uma obrigação.

Vários oradores representando diferentes sectores foram convidados de modo a aconselhar as comunidades sobre as oportunidades que eles podem explorar para o desenvolvimento sustentável. Os oradores eram oriundos do Easten Cape Parques e Agência de Turismo (ECPTA), Departamento Provincial de Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente Sul Africano, Município Distrital Alfred Nzo, Município local Mbizana e de várias organizações locais sem fins lucrativos, como a Sustaining the Wild Coast.

Mais de 30 pessoas participaram no workshop. Impressionado com o workshop, Sinegugu Zukulu disse "a união de tantos diferentes stakeholders para discutir as melhores práticas na implementação do desenvolvimento, mostra o verdadeiro sentido da governação cooperativa, tal como está consagrado na constituição do nosso país." O seminário foi um sucesso retumbante, indo além expectativas de todos.
 
WESSA pretende estabelecer a primeira reserva da biosfera da UNESCO
em KZN com o apoio do CEPF
Por Chris Galliers, WESSA
 

 

 

Um grande financiamento foi atribuído a WESSA por parte do CEPF para apoiar a criação da primeira Reserva da Biosfera (BR) da UNESCO registrada em KwaZulu-Natal. A BR proposta está localizada em uma área conhecida como o KwaZulu-Natal Midlands e faz parte da bacia hidrográfica do Grande uMngeni. Esta área tem uma série de atributos chave, incluindo características naturais espetaculares (por exemplo cachoeiras), fauna e flora raras e ameaçadas, assim como um imenso valor cultural. Esta cobrirá uma área relativamente pequena em comparação com outras BRs na África do Sul, no entanto a área é muito utilizada. Esta intensidade coloca pressão sobre os ecossistemas existentes, que se faz sentir tanto na área imediata, mas também por dependentes à jusante.

Então alguns dos objectivos da BR proposto são:

  • Conservar a bacia para abastecimento de água generalizada, garantindo assim a segurança da água
  • Conservar o meio ambiente biofísico, com todos os seus componentes e a infraestrutura ecológica incluída, para garantir segurança dos habitats para espécies de fauna e flora raras, ameaçadas e em perigo
  • Melhorar o conhecimento existente das práticas agrícolas, de conservação e sustentáveis, através do desenvolvimento da capacidade humana
  • Levar as pessoas a entender as suas funções e responsabilidades, associadas a viver dentro de uma BR e promover uma visão holística para a conservação
  • Apoiar e criar desenvolvimento sócio-econômico dentro da BR e áreas adjacentes
  • Manter e melhorar os valores alternativos da área, tais como retenção da aparência estética, do património e dos valores culturais e preservar o sentido de lugar
  • Manter e promover a sustentabilidade da área através de práticas melhoradas, incluindo a governação
  • Melhorar os meios de subsistência e a qualidade de vida das pessoas residentes dentro da BR
  • Propor medidas resistência e adaptação ás mudanças climáticas
  • Mapear a BR para identificar hotspots de biodiversidade/ecológicos e habitats de espécies ameaçadas ou áreas que necessitam de proteção e conservação imediata
  • Identificar zonas da BR que podem indicar a aptidão para atividades de uso da terra e uma estrutura de apoio à decisão para determinar a localização ideal para várias opções de desenvolvimento, como o ecoturismo, agricultura e habitação
  • Ser um canal para a utilização eficaz dos recursos investidos na BR
Todos os itens acima serão efectuados para atingir um estado futuro desejado, onde a área da BR seja resistente à mudanças climáticas, onde as áreas naturais e paisagens estão conectadas, economias verdes estão prosperando, a produção de água na bacia é garantida e diversidade biológica e cultural é conservada.
 
Pessoas mais capacitadas potencializam as florestas

 

Por Mike Denílson, WESSA

O Complexo Florestal Ntsubane (NFC) é o cinturão de floresta costeira nativa que vem desde Port St Johns, estendendo-se por cerca de 30 quilômetros na direção Nordeste-Este, desde uma área chamada de Egossa Interval ate à Egossa Fault, ao norte de Mbotyi. Embora classificado como floresta de escarpas, o complexo é representativo de dunas, planícies costeiras e florestas de montanha. Não há um demarcação natural clara dos tipos florestais, mas sim uma mistura desses tipos florestais. O NFC corre mais ou menos paralelo à linha da costa, ziguezagueando para o interior a partir da costa, num alcance entre 5 e 13 km, cobrindo cerca de 4 461 hectares. Historicamente este cinturão, ou corredor de floresta natural, teria sido um ecossistema homogêneo e contínuo, apoiando uma saudável reserva de biodiversidade de vida animal, vegetal e de aves. Este corredor hoje, encontra-se cada vez mais fragmentado, com a floresta sendo dividida em agrupamentos menores devido ao impacto da degradação humana, com a consequente perda de serviços desejados do ecossistema e uma reduzida capacidade de manter a diversidade ecológica desejada.
 

Este complexo florestal é o maior povoamento florestal nativo em Wild Coast, e é considerado como estando sob ameaça significativa. Isto é fundamentado pelos resultados de um estudo em florestas costeiras de Wild Coast (The Wild Coast Coastal Forests Study), que destaca que essas florestas estão sob crescente pressão por práticas florestais insustentáveis e que "o uso da floresta não aparenta ser sustentável. O Maneio das florestas nativas é inadequado".

Importante ressaltar, o NFC está dentro do Centro de Endemismo Vegetal do Pondoland, que dentre os 235 locais de plantas endémicas reconhecidos internacionalmente, é um dos menores e mais vulneráveis, desses locais botânicos ricos com significado global para conservação. Ele está incluído nos ecossistemas críticos destacados no corredor Maputoland-Pondoland-Albany.

Através dos projetos inicial e subsequente, financiados pelo CEPF, o WESSA tem, desde 2012, vindo a trabalhar com as comunidades usuárias da floresta, grupos de usuários da floresta e outras partes interessadas, para promover a conservação dos recursos florestais naturais e apoiar as práticas de subsistência sustentáveis . Comunidades usuárias da floresta são da opinião de que eles se tornaram cada vez mais impotentes em relação à propriedade e acesso aos recursos naturais. Os projetos implementados pelo WESSA, visam portanto restabelecer um sentido legítimo de propriedade sobre esses recursos, por meio de acordos de maneio participativos e colaborativos, direitos dos usuários e responsabilidades na conservação.
 

 

O trabalho incluiu educação e treinamento na erradicação das plantas exóticas invasoras, garantindo significativamente emprego a longo prazo com os objetivos de conservação, workshops sobre maneio de recursos naturais baseado na comunidade, experimentação de sítios para restauração florestal, inputs em escolas florestais e revitalização da Associação de Usuários da Floresta de Wild Coast (Wild Coast Forest User Association), especificamente dos artesãos que são dependentes de recursos florestais para sua subsistência. Além disso, o projeto está trabalhando para mapear o complexo. Juntamente com a comunidade rural de Dedeni, o projeto irá dirigir um plano de uso da floresta que vai facilitar no uso responsável, devendo incluir gestão participativa de infra-estruturas e identificar floresta apropriada para a proclamação de uma área protegida que está em linha com a Estratégia de Expansão das Áreas Protegidas Nacionais.

Apesar do conflito entre as partes interessadas, a desconfiança histórica, as desafiadoras realidades sócio-econômicas e elevadas pressões sócio-ecológicos, é cada vez mais evidente que as comunidades de Ntsubane estão dispostos a se envolver e a agir proactivamente para a conservação deste complexo florestal. Por isso, é de extrema importância para o MPAH, permanecer na vanguarda da cooperação para o desenvolvimento no futuro, com investimento estratégico priorizado nas relações de trabalho que foram catalisados por meio dos programas do CEPF.
 

Desenvolvimento de uma metodologia para medição de bens e serviços ambientais

Por Kerryn Morrison, Endangered Wildlife Trust

Em 2012, a Endangered Wildlife Trust (EWT) iniciou um projeto de maneio da biodiversidade, financiado pelo CEPF, na área Drakensberg sul em KwaZulu-Natal. O Programa de Maneio da Biodiversidade é um processo legislativamente permitido que proporciona às comunidades e proprietários de terras privados a comprometerem voluntariamente suas fazendas para serem declaradas como parte da rede de áreas protegidas da África do Sul. Várias categorias permitem às propriedades, desde aquelas com condição natural intacta à aquelas que estão activamente exploradas, serem inscritas no programa. O objetivo final do programa é de obter as melhores práticas de maneio nas fazendas, o que poderia beneficiar as espécies ameaçadas, tais como o Grou carunculado, o Grou-coroado-austral cinzento e o Oribi, bem como melhorar ou manter bens e serviços do ecossistema emitidos das propriedades.

Para garantir um envolvimento permanente do EWT, após os locais terem sido declarados e para assegurar que as práticas recomendadas de maneio estejam a ter o efeito desejado, é essencial desenvolver técnicas para medir o impacto dessas práticas e avaliá-las ao longo do tempo. Muitas técnicas de avaliação aceites tinham anteriormente sido desenvolvidas por outros, como por exemplo, o Sistema de Pontuação da África do Sul (South Africa Scoring System (SASS) - uma ferramenta que mede a qualidade da água através de uma avaliação da biodiversidade aquática), o uso de libélulas como indicadores ambientais, a determinação de cobertura basal, turbidez da água e avaliação da condição da pastagem para citar apenas alguns. O EWT está, contudo, interessados no desenvolvimento de uma metodologia holística que irá avaliar vários parâmetros e que podem ser ligados ao bem-estar dos bens e serviços do ecossistema. É também um requisito essencial, que quaisquer ferramentas desenvolvidas devam ser de fácil uso, especialmente pelos proprietários de terras ou membros do público.

Em resposta a esta necessidade, o EWT decidiu olhar para o uso combinado de um conjunto de ferramentas aceites e comprovadas em um determinado sitio (fazenda) e explorar a ligação entre essas ferramentas e os bens e serviços do ecossistema. Ao combinar ferramentas existentes, uma imagem mais holística surgirá, o que poderá ser mais sensível à mudanças, do que usando qualquer uma das ferramentas de forma isolada. Além disso, o uso de métodos comprovados, como parte da metodologia EWT, dará credibilidade e aceitação da metodologia desenvolvida.
 

 

 

Baseado na nossa compreensão atual em bens e serviços do ecossistema, quanto menos transformada estiver a cobertura de terra, melhor deverá ser a prestação de serviços. Este ponto de vista, embora não isento de excepções, tem tido aceitação geral entre os profissionais do ecossistema. Se este ponto de vista é aceite, o pressuposto de que, a melhoria em uma variedade de bioindicadores poderia corresponder em melhorias nos bens e serviços do ecossistema, pode razoavelmente ser feito. Quanto maior a variedade de indicadores que são monitorados, mais provável é que os seus resultados poderiam nos dar uma visão sobre a condição dos bens e serviços do ecossistema.

Ao nível prático e teórico, a implementação combinada dessas ferramentas trouxe várias questões interessantes e levantou uma série de incógnitas. Reuniões e discussões foram realizadas com os vários stakeholders da área dos serviços e bens do ecossistema, para planear o desenvolvimento de uma metodologia holística, tentando verificar quais as ferramentas a combinar, e se os resultados da metodologia serão bons indicadores ou não, dos bens e serviços do ecossistema. No final, passando tempo no campo e tentando descobrir como ele poderá funcionar, em um nível prático, proporcionou enorme discernimento sobre a questão.

Abaixo estão algumas das observações que se tornaram evidentes nas últimas semanas e que irá nos guiar no desenvolvimento da metodologia de medição. Estes podem ser úteis para outros projetos relacionados.

a) Definir os limites da área a ser monitorada.
Se o objetivo é usar a metodologia para tirar certas conclusões sobre o estado dos bens e serviços do ecossistema, certifique-se que só medir os bens e serviços do ecossistema que se originam dentro dos limites da área que você está tentando monitorar. Isso irá ajudá-lo a medir o impacto das ações de maneio de bens e serviços do ecossistema, que estão sob o controle do proprietário do terreno e não daqueles que poderiam ser influenciados por fatores além de seu controle ou além dos limites da propriedade.

b) Classifique a fazenda em relação aos seus tipos de cobertura de terra.
Diferentes tipos de uso e cobertura da terra têm diferentes habilidades para produzir bens e serviços do ecossistema. Delineando esses usos da terra, e classificando a sua capacidade de contribuir para os bens e serviços do ecossistema, irá ajudar na identificação das áreas de amostragem e, eventualmente, sugerir as ferramentas adequadas a serem utilizadas.

c) Definir a bens e serviços do ecossistema a serem medidos.
Quais são os bens e serviços que serão medidos? É uma boa ideia se concentrar nos serviços  fornecimento e regulação, pois estes serão fortemente influenciados por ações de maneio. Mais uma vez, este processo de identificação irá fornecer uma visão sobre qual combinação de ferramentas será apropriada.

d) Experiência com a colocação de pontos de amostragem.
Certifique-se de que estes estão situados em áreas onde irão responder a intervenções de maneio, ou seja, os pontos de amostragem devem ser sensíveis à mudança.

e) Criar um conjunto de ferramentas
Avaliar ferramentas diferentes no que respeita à sua facilidade de uso e do tipo de resultado que irão produzir. Selecione um número de ferramentas que são apropriadas, e que irão fornecer percepção sobre os ambientes aquáticos e terrestres. Estes instrumentos poderão avaliar parâmetros abióticos ou bióticos.
f) Compreender que cada fazenda vai representar uma situação única.
Cada fazenda terá um plano de monitoramento único e uma combinação específica de ferramentas serão aplicadas como parte da metodologia. Desde que as ferramentas sejam razoavelmente sensíveis, e que os pontos de amostragem tenham sido bem escolhidos, a escolha das ferramentas pode importar menos que seu uso consistente para monitoria naquela fazenda particular.

g) Mantenha-o simples e prático.
Não fique preso em complexidades científica, pois há muitas que poderão surgir. Comece o mais rápido possível com a implementação prática e adaptando a medida que aprende. Comece a construir uma linha base de observações que podem ser usados para interpretar futuras observações de monitoramento.

h) Compartilhar informações.
Use as plataformas tecnológicas para registar e compartilhar resultados. Uma série de aplicações de internet oferecem ótimas ferramentas para aprender e compartilhar. Envolver as pessoas, desde o início, como parte de capacitação e como uma plataforma para a ciência dos cidadãos. Eles vão encontrar aprendizado e interação útil e assim como você.

i) Não se esqueça do plano de maneio.
Certifique-se de que as actividades de maneio, que são planeados e implementados também estejam claras em relação à suas metas. Certifique-se de que os planos são registrados enquanto são implementados, para que o progresso possa ser avaliado em função dos resultados das diferentes ferramentas que são aplicadas.

O uso de uma combinação de ferramentas na mesma área (fazenda) tem atraído muita atenção e tem confirmado a necessidade de uma metodologia holística. Esta metodologia, não só vai ser útil onde os ambientes estão a ser reabilitados, mas também em áreas onde precisamos garantir que as condições naturais ou primitivas são mantidas.

No desenvolvimento das ferramentas, a equipe do projeto encontrou um número de incógnitas e dúvidas científicas. A lição retumbante aprendida até agora, é que, diante de incertezas, nada supera a experimentação prática no campo para esclarecer questões ou informar o caminho a seguir.
 

Ao ensinar você aprende, ao aprender você ensina: um projeto de educação ambiental com o ensino e a aprendizagem  mutuamente integrados

Por Janet Snow, Treverton Trust

Usando o provérbio latino "ao aprender você ensina, ao ensinar você a aprender" como uma espinha dorsal, um grupo de estudantes do Treverton Post Matric GAP, de 18 anos, têm vindo a realizar programas de ensino para os alunos das escolas, ao mesmo tempo que vão aprendendo durante o processo de ensino.

Escolas Treverton em KwaZulu-Natal (África do Sul) têm tido uma forte ética de educação ambiental e tem sido envolvido em uma variedade de programas de educação ambiental e projetos desde os anos 70. Um dos setores da escola, o grupo Post Matric GAP (Estudante que terminaram o ensino secundário e pretendem melhorar as suas qualificações), tem conduzido programas de consciencialização do uso sustentável da água (Water Wise), consciencialização sobre o clima (Climate Wise) ou programas de sensibilização sobre a erosão, como parte de sua excursão anual desde 2009. Em 2013 e 2014, o Wildlands Conservation Trust e o CEPF financiaram a componente de Educação Ambiental desses programas.
 

 

O “Aprendendo e Ensinando o Ambiente” (ELT) é uma organização que se concentra nas práticas de aprendizagem e ensino relacionados ao ambiente, com base no provérbio japonês "plantando árvores nas quais as sombras não esperamos sentar". A organização realiza treinamento e desenvolve recursos para o ensino e aprendizagem ambiental.

ELT orienta o grupo Post Matric GAP para desenhar e desenvolver suas próprias lições interativas, as quais podem apresentar em uma variedade de escolas. Estas aulas estão relacionadas com os currículos escolares. Sob orientação, eles decidem sobre um tema ambiental adequado (em 2013 eles escolheram o “Water Wise”, enquanto que a consciencialização sobre a erosão é o foco para 2014) e desenvolvem uma série actividade de ensino interativas visuais e baseadas na acção. O grupo traz entusiasmo juvenil e compreensão de como interagir com alunos um pouco mais jovens que eles próprios, e alunos de escolas em um nível compatível.

O desenvolvimento do programa é em si um processo de aprendizado para o grupo do Post Matric GAP. Eles não só têm de aperfeiçoar o seu próprio conhecimento nos conteúdos relacionados com o tema, mas também, eles têm que conhecer e definir os métodos pedagógicos adequados. Eles devem colaborar entre si para a definição do tema, programa ou processos e habilidades úteis para a vida.

 

 

Em 2013, o tema foi “Water Wise”. Sob a orientação da ELT, eles desenvolveram uma série de quatro actividades e uma peça de teatro focalizada no ciclo da água, bacia de captação da montanha, conservação de água, não poluição dos rios e problemas de saúde relacionados com a água. Eles usaram métodos inovadores construindo modelos que indicavam os conceitos. Os modelos foram mais uma vez usados pelo grupo de 2014, onde eles usaram a "montanha" para indicar os efeitos da erosão do solo, quando não há cobertura do graminal para segurar o solo. Outro modelo foi desenvolvido para o tema da erosão. Usando um método pedagógico de cenários, uma série de possíveis situações foram desenvolvidos e demonstrados.

Cada grupo desenvolveu uma peça teatral. Essas são pequenas peças humorísticas que trazem humor para o problema, permitindo indicações dos efeitos sociais da adequada versus inadequada gestão ambiental. Apesar da falta de treinamento em representar, o grupo do Post Matric GAP verdadeiramente enfrentou este desafio, com alguns deles relatando o quanto gostaram dessa componente do programa.

Os programas são apresentados aos alunos em uma variedade de escolas, incluiu pequenas escolas rurais, escolas em áreas com  autoridades tribais tradicionais e escolas em aldeias rurais. Embora o foco seja predominantemente para alunos das classes 7a e 8a (e ligados a esses currículos), tem havido pedidos das escolas para incluir os alunos desde a 1a classe, até a 11a classe.
 

O grupo Post Matric GAP notou que: "Houve uma grande diferença em todas as escolas e via-se claramente a forma como a escola funcionava através do sistema de gestão. ... [Alguns] foram tão disciplinados que estavam animados e entusiasmados e bem comportados. Via-se que eles só queriam todo o conhecimento que lhes poderia ser dado, o qual era um prazer.... [Outras escolas] foram difíceis, pois existe ... [existia] uma sensação de falta de interesse". O director do Post Matric GAP escreveu: "a interação entre os estudantes do Post Matric e os outros alunos foi profunda de observar e dá uma sensação de esperança para as futuras gerações de Sul Africanos."

O aprendizado durante os processos de ensino é imensurável, mas pode ser resumida quando eles sugeriram que os futuros grupos do Post Matric deveriam ser expostos a programas de ensino dessa natureza "para que eles também possam ser ensinados, tanto quanto nós temos sido". Assim, os alunos das escolas ensinavam enquanto aprendiam e ensinando, o grupo do “Post Matric GAP” aprendia.
 
Relatório da biodiversidade do mhlumeni - um marco importante na
conservação do Lubombo

Por Rod de Vletter, Lubombo Conservancy

Durante várias décadas, houve uma visão entre as autoridades, proprietários, gerentes e partes interessadas para uma gestão cooperativa de uma série de áreas contíguas, mas gerenciadas separadamente no Nordeste da Suazilândia. Estas áreas incluem áreas legalmente proclamadas como Áreas Protegidas, propriedades privadas, e a Swazi Nation Land. Esta área é única na sua beleza cênica, rica diversidade de habitats e espécies endêmicas, posição estratégica para o acesso de turistas, e por suas ligações tradicionais Swazis – o campo de caça Real e o envolvimento das comunidades locais. A Lubombo Conservancy compreende cinco áreas de conservação que se combinam para tornar a mais extensa e histórica área de conservação dentro do Reino da Suazilândia, com cerca de 60 000 hectares de terras contíguas que podem ser utilizados para melhorar os esforços de conservação no país.

Um dos projetos do Lubombo Conservancy é o Mhlumeni-Goba Iniciativa de Turismo e Conservação Transfronteiriça (Mhlumeni-Goba Cross Border Tourism and Conservation Initiative), que pretende dirigir a primeira área de conservação transfronteiriça comunitária entre a Suazilândia e Moçambique. Uma série de workshops sobre planeamento participativo com SIG, foram realizadas em Mhlumeni, com o objetivo de envolver a comunidade no mapeamento e na avaliação dos serviços dos ecossistemas e no desenvolvimento de um plano de maneio e de negócios baseado em um entendimento informado do património dos recursos naturais da comunidade. Uma das etapas desta iniciativa foi a avaliação da biodiversidade, o que forneceria um estudo de base da ecologia terrestre da proposta área de conservação Mhlumeni. A ECOREX Consulting Ecologists CC foi nomeado para o levantamento da flora e da fauna de vertebrados (mamíferos, aves, répteis e anfíbios) da área, e avaliar o valor da biodiversidade dos habitats terrestres representados. O especialista em biodiversidade reconhecido Warren McCleland (árvores e arbustos do Mpumalanga e Parque Nacional Kruger) e a especialista local, Linda Loffler (Atlas de Árvores da Suazilândia), conduziram o estudo.
 

 

 

A área de estudo foi o Sul do Lebombo Bushveld, que tem um estatuto de ecossistema pouco ameaçado. Cinco comunidades vegetais intactas foram identificadas na área de estudo, com base na característica estrutura da vegetação, composição florística e posição na paisagem:

  • Mosaico Arbustos-Matas (Ficus glumosa-Mimusops zeyheri-Maytenus undata)
  • Florestas Abertas (Combretum apiculatum-Themeda triandra-Cymbopogon excavates)
  • Florestas Fechadas (Combretum molle-Maytenus undata-Diospyros dichrophylla)
  • Matagais (Combretum molle-Acacia ataxacantha-Bauhinia galpinii)
  • Florestas ribeirinhas e de escarpas (Harpephyllum caffrum-Drypetes arguta)

Um total de 373 espécies de plantas foram registradas na área de estudo durante o trabalho de campo, refletindo a alta diversidade vegetal da área. Trinta e nove dessas plantas são protegidos pela Lei de Proteção da Flora da Suazilândia (n º 10 de 2000) e nove são classificadas como ameaçadas ou com dados deficientes segundo a lista vermelha da Suazilândia. Adicionalmente sete espécies de plantas ameaçadas e cinco com dados deficientes foram registrados nas proximidades gerais da área de estudo, em comunidades de vegetação semelhantes à essas representadas e poderão ser localizados com mais trabalho de campo. Apenas uma espécie da fauna de importância para conservação foi confirmado durante o trabalho de campo, nomeadamente, o Mangul (quase ameaçada). No entanto, habitat adequado e até mesmo habitat optimo existe para seis mamíferos, 19 aves e dois répteis de interesse para conservação. Mais trabalho de campo pode confirmar a presença de, pelo menos, algumas destas espécies.

A avaliação do valor da biodiversidade dos habitats representados determinou que quase todos os habitats naturais têm Alto Valor de biodiversidade e valem a pena conservar. As três comunidades vegetais mais importantes relacionadas a isso são o Mosaico Arbustos-Matas, Florestas Abertas e Florestas ribeirinhas e de escarpas. A área de estudo Mhlumeni é um importante hotspot de biodiversidade que deve ser considerado para inclusão em quaisquer planos de conservação sistemática no futuro para os Lubombos e tem o potencial para ser uma importante área protegida transfronteiriça com áreas semelhantes próximo de Goba, em Moçambique.

O estudo confirma o valor da biodiversidade da área e dos seus ecossistemas, e conclusivamente valida o investimento intensivo de 6 meses no processo de planeamento participativo, mapeamento e zoneamento com a Comunidade Mhlumeni. O estudo relata que a maior parte da área comunal do Mhlumeni tem um Alto Valor de Biodiversidade e é vale a pena conservar. As conclusões do relatório potencialmente indicam os altos valores de biodiversidade e de conservação das terras comunais do Lubombo (Swazi Nation Land), onde avaliações da biodiversidade similares estão planeadas. O processo de planeamento em conjunto com o estudo, ajudou a criar um sentido de proriedade e orgulho na comunidade por sua biodiversidade, na medida em que investigou o roubo de cicadáceas na área, recuperou-as e garantiu que elas fossem replantadas em seu local original. O estudo irá contribuir, e informar nas discussões em curso com a Comunidade Mhlumeni, sobre a criação de uma Área de Conservação comunitária, e sua futura participação na Lubombo Conservancy.
 
‘Ecorangers’ de Eastern Cape preservam as pradarias< redução de perdas de gado

 

Por Nolubabalo Kwayimani, Conservation South Africa

Matatiele mudou ao longo dos últimos anos, as pessoas que residiam lá há anos atrás podem distinguir uma enorme diferença. A acácia-negra (uma espécie de acácia que é invasiva nessa região) tinha assumido as terras agrícolas e próximo do rio. Estas árvores sedentas estão reduzindo as áreas de pastagens e zonas húmidas, das quais os agricultores dependem para abeberar o seu gado, agravando assim a escassez de água doce que tem assolado grande parte da África do Sul nos últimos anos. Enquanto isso, a erosão devido ao sobrepastoreio deixou algumas partes da área inacessível. Esses impactos afectam mais de 1 milhão de pessoas que vivem ao longo do Rio Umzimvubu. É fundamental que nós cultivemos de forma mais inteligente do que temos sido, protegendo a terra enquanto ainda podemos.
 

É nosso trabalho ajudar a melhorar o maneio da terra na bacia hidrográfica do Umzimvubu. Um dos aspectos positivos é que podemos ajudar a corrigir esses problemas enquanto proporcionamos emprego que é muito necessário para os membros da comunidade local - um benefício fundamental, pois a taxa de pobreza aqui ainda é bastante alarmante. Conservation South Africa (CSA) começou o nosso trabalho na aldeia de Motseng, próximo do sopé das montanhas de Drakensberg. Aí, 30 agricultores assinaram um acordo inicial de três meses, comprometendo 800 hectares de terra, 242 bovinos e 237 ovinos para um regime de "estrutura de pastagem". Em seguida, CSA começou o processo de vacinação, mergulhando e marcando nas orelhas todos os animais alocados ao projeto. As marcas nas orelhas permitem registro dos animais a cada proprietário. As vacinas e os mergulhos médicos asseguram que todos os animais pastando juntos estejam protegidos de doenças e carrapatos, enquanto eles estão sob nossos cuidados.

Quando a pastar, os animais são acompanhados por "ecorangers" – pastores locais contratados para proteger os animais, manter as áreas  em que foram eliminadas as espécies invasoras e recolher dados biológicos para monitoramento das condições do pasto. Armados com unidades de GPS, eles registram evidencias de pastagens degradadas que devem ser evitadas até que ela tenha tempo para se recuperar. Eles são também treinados nas mais modernas técnicas para limitar a perda de gado para predadores, como o uso de cães pastores guardas da Anatólia. Uma vez treinados e equipados com equipamentos de segurança, os ecorangers vão para o campo com os seus rebanhos, seguindo uma rota pastagem planeada e dormindo em áreas designadas para acampamentos durante a noite. A ideia é fazer com que o gado bovino e as ovelhas pastem o mais longe possível quintas dos agricultores no verão. Dessa forma, no inverno, eles podem permanecer mais perto de casa, sem degradar as pastagens. Tal compromisso, em uma área comum grande, onde os agricultores se deslocam para onde e quando quiserem, é extremamente difícil; levar-lhes a seguir um plano de estrutura de pastagem precisou de intensas negociações. Nosso trabalho foi facilitado através de um grande esforço de equipe, desde as pacientes e respeitosas reuniões que Sinegugu Zukulu, nosso gestor do programa, realizava com todos os chefes, até à velocidade com que a equipe CSA registrou o gado em cada aldeia.

Mas as coisas nem sempre correram bem, apesar de nossos melhores planos. Nosso primeiro obstáculo foi a falta de tendas, sacos cama e equipamentos de camping que pastores precisariam quando acampados com os animais. Graças aos nossos parceiros na Massmart, ficamos aliviados e incrivelmente gratos quando algumas incríveis tendas e equipamentos de camping chegaram à nossa porta. Além disso, o custo de obtenção de alimentos para os ecorangers revelou-se, a cada dia, mais caro do que o previsto – mas graças ao supermercado local, SPAR, todo mundo está agora alimentado e aquecido durante a noite.

No início, alguns dos pastores manifestaram reservas sobre ter que ficar no campo por longos períodos de tempo. No entanto, eles estão agora voltando regularmente para casa com sorrisos, abraços e histórias de prosperidade gado que podem ser atribuídas a essas novas práticas de pastoreio. As vacas estão mais gordas, porque não estão caminhando longas distâncias de e para casa, o que é um bom presságio para os agricultores no mercado. Relatórios mostraram que os animais têm menos carrapatos e doenças do que antes. Uma pesquisa realizada na “paisagem de Namaqualand do CSA”, realizada em 2012, constatou que os agricultores que empregam ecorangers viram uma redução na perda do gado em 320%. Esperamos que a presença de nossos ecorangers também vá impedir o roubo de gado, que é um caso sério na África do Sul e no vizinho Lesoto.

A abordagem de pastagem planeada e programa de controle de espécies invasoras é uma maneira acessível para restaurar estas áreas comunais, proporcionando emprego em algumas das áreas mais pobres da África do Sul. Também pode ajudar a informar sobre a próxima estratégia de precificação da água pelo governo Sul-Africano, que visa utilizar o preço da água como uma ferramenta para conduzir à melhoria da eficiência na utilização da água, sem impactar negativamente usuários de pequena escala ou desfavorecidos. Desde o nosso compromisso inicial com os agricultores em Motseng, já inscrevemos um total de 110 agricultores em duas das sete aldeias que temos como alvos. Estamos aqui a longo prazo – pelo menos 20 anos –tempo na qual esperamos melhorar o maneio de 35.000 hectares de pastagens.

A 23 de Junho de 2014 pela a primeira vez em Matatiele, CSA em parceria com a ERS, realizou a venda de gado para os agricultores que estão envolvidos no programa. Cento e vinte e nove (129) animais estavam a venda provenientes de nove aldeias e 66 proprietários. Dos 129 cabeças de gado, 76 foram vendidos num dia, para quatro diferentes compradores, trazendo R471 800,00. Esta foi uma grande conquista com os compradores, e os vendedores aparentavam muito felizes com o leilão e as transações que ocorreram.

Como equipe, temos sido inspirados pelas mudanças positivas já vistas nestas pradarias cruciais - e sabemos que estamos apenas começando.
 
 

All rights to this publication are reserved.

Template design and layout: SANBI Publishing, March 2013.